Quem sou eu

Minha foto

Nascido em Erechim-RS em 1964, no ano seguinte a familia veio morar em Porto Alegre capital do Estado do Rio Grande do Sul- Brasil.
Formado em Química Industrial, Especialista em Engenharia da Qualidade e Mestre em Química, foi executivo de diversas organizações e consultor em gestão empresarial, atuando em diversas entidades públicas e privadas nas áreas de serviços, indústrias, agronegócios, ONGs e outras.
Tem na música e na leitura seus principais lazeres.
Busca constamente observar a vida, aprender e fazer diferença no mundo, não apenas como um mero participante de um momento histórico da humanidade.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Estamos Muito Bem Representados

"É verdade que existem vários idiotas no Congresso. Mas os idiotas constituem boa parte da população e merecem estar bem representados."
Hubert Horatio Humphrey, Jr. (Wallace, Dakota do Sul, 27 de maio de 1911 — Waverly, Minnesota, 13 de janeiro de 1978) foi o 38º Vice-presidente dos Estados Unidos, durante o mandato do Presidente Lyndon B. Johnson.
 
Reiteradamente tenho publicado que estranho a reação das pessoas em relação a forma como encaram o comportamento de nossos políticos, principalmente quando comparamos a intenção proposta eleitoralmente e os efetivos resultados alcançados pela sua atuação. Vejo gente comentando com espanto e até certa indignação, ao mesmo tempo que refletem determinado conformismo por não acreditarem que algo ou alguém fará a mudança. Mas também entendo perfeitamente que estamos muito bem representados, pois entendo que eles(os políticos brasileiros) se comportam exatamente como a maioria de nossa população se comportaria. Caso contrário, a verdadeira democracia já os teria defenestrado do cenário político.
Vamos fazer uma reflexão. De acordo com dados disponíveis e publicados sobre manifestações públicas temos:
  • Quatro milhões de pessoas participaram da 15ª edição da Parada do orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transsexuais e Transgêneros), chamada popularmente de Parada Gay em 2011.
  • A 19ª edição da Marcha de Jesus em São Paulo reuniu cerca de 1,5 milhão de pessoas.
  • No Big Brother Brasil 8 na final entre Rafinha (50.15) x Gyselle(49.85) houve 75 milhões e 300 mil votos.
  • E para terminar...No último feriado do dia 7 setembro (Independência do Brasil) em São Paulo, houve dois atos na Avenida Paulista, um pela manhã e outro à tarde, segundo matéria da Folha Online: "Cerca de 700 pessoas participaram na tarde desta quarta-feira (7) da segunda passeata do dia contra a corrupção na avenida Paulista, em São Paulo. Como no ato da manhã, que reuniu 500 pessoas..."
Não quero de forma alguma minimizar a importância e relevância de qualquer uma das manifestações acima citadas. Mas não podemos nos furtar de fazer uma clara reflexão sobre as preferências de nosso povo de forma objetiva.
Sei que pode até ofender algumas pessoas, o que não é minha intenção. Mas se novamente lembrarmos que são nossas ações que refletem as verdadeiras intenções, pois as ações efetivamente realizam transformações. E estas ações são frutos de nossas escolhas refletidas ou irrefletidas, mas antes de tudo são escolhas. E estas escolhas são verdadeiramente influenciadas pelo que carregamos no nosso íntimo, o que pode ser revelado ou omitido. E muitas vezes o que é revelado pode contrariar o que realmente pensamos, o que caracteriza a mentira. E quem não vive como pensa acaba pensando como vive.
Considerando que São Paulo tem em torno de 7,1 milhões de eleitores, as manifestações contra a corrupção na Avenida Paulista contaram com a representatividade de 0,0169% (somados os manifestantes da manhã e da tarde). Então a que conclusão chegamos pela análise dos fatos e dados? Que para o nosso povo, indicar alguém para o paredão do programa Big Brother é mais importante que ajudar a minimizar ou eliminar o preconceito homofóbico que é mais importante do que expressar publicamente sua fé (em Jesus no caso) e que a corrupção tem importância pífia ou não tem importância nenhuma. Este é o exemplo do resultado das ações praticadas pela nossa população. Que deve ser coerente com os princípios e critérios que norteiam suas vidas. Apenas temos que aceitar e compreender e não se ofender.
Hoje em dia discute-se novamente o retorno de um extinto imposto (CPMF com outra sigla, vulgarmente apelidado de imposto do cheque) para aumentar o custo de vida dos brasileiros, com a complacência da maioria dos membros do governo e do congresso nacional. Some-se que no dia 13 de setembro de 2011 (às 11:40) a arrecadação de impostos no Brasil alcançou a marca de 1 Trilhão de reais, 35 dias mais cedo que no ano anterior. Sendo o PIB brasileiro da ordem de 3,6 a 4 Trilhões de reais, podemos afirmar que 1/3 do PIB é a fatia do poder público. E 1/3 do PIB não está sendo suficiente para sustentar a máquina pública. Por que? Será que esta pergunta não se responde pelos fatos apontados no início deste texto?
Eu sou contrário a qualquer outro imposto adicional de qualquer ordem ou sigla. Embora a forma de tributação sobre transações financeiras seja a mais simples e mais justa, este tipo de imposto só faz sentido se for o único, excluindo-se TODOS os outros. O fato é que o Poder Público fica com, no mínimo, 1/3 de tudo que produzimos de valor. Fato. Mas fica ainda pior.
A maioria do povo brasileiro de fato, por suas ações concretas, não se importa com a corrupção e, portanto, está muito bem representado. As pessoas que lá estão desejam, como qualquer ser humano, aumentar seus rendimentos. Então há que aumentar a arrecadação. Simples e lógico.
O Ministério da Educação liberou, na segunda-feira dia 12 de setembro de 2011, a lista de qualificação por escolas no Exame Nacional  do Ensino Médio (Enem) de 2010. Do total de 100 escolas que formam o ranking das melhores, apenas 13 delas são da rede pública de ensino. Poderíamos fazer o mesmo raciocínio embasado em dados e fatos na saúde, no transporte, na preservação de rodovias, etc. O fato é que além de ficar com 1/3 de tudo que produzimos o Estado Brasileiro não retorna serviços de qualidade e faz mais leis para proteção de seres desumanos e bandidos do que para cidadão honestos. Assim quem tem mais condições acaba gastando mais de 1/3 com escola particular, sistema de saúde particular, pedágios, veículos particulares, previdência privada, segurança privada e habitação digna. E quem não pode faz o que? Vive como pode. E agradece com votos o programa “Bolsa Esmola”, “Bolsa Família” ou qualquer outro modelo assistencialista. E que venha a “Copa do Mundo”, pois se o Brasil não ganhar o campeonato a tristeza se abala e a indignação dos brasileiros tomará conta das ruas.
Concluindo, vivemos o regime da ignorância em plena era da informação. E o que temos é o resultado de nossa consciência pública que se traduz nas nossas escolhas. E nossas ações advêm das nossas escolhas de forma coerente com nossos reais princípios e valores. Como vivemos em uma democracia baseada na vontade da maioria independentemente de sua ignorância, nós alcançamos exatamente o que desejamos. Por isso estamos muito bem representados.
Parabéns ao povo brasileiro pelo sucesso de nossos políticos.
Simples assim mas pleno de bom senso.

"Aprenda como se você fosse viver para sempre. Viva como se você fosse morrer amanhã". (Gandhi)

Um comentário:

  1. Hoje caiu mais um Ministro... o quinto em 9 meses de mandato. 4 por corrupção e um por falar a verdade. Todos escolhidos pela competência pessoal e seres humanos de vida ilibada e da confiança da Presidenta. Atenção. Podem ter certeza. Ninguém será preso. E essas pessoas continuarão sendo eleitas. Estamos muito bem representados não é?

    ResponderExcluir